Conheça nossos cursos
Conheça nossos cursos

Mercado de Trabalho

Como desenvolver o mindset ágil

BLOG NEWTON PAIVA

Os melhores conteúdos sobre EAD e educação

Mercado de Trabalho

Como desenvolver o mindset ágil

Blog da Pós EAD da Newton
Por Blog da Pós EAD da Newton em May 25, 2022 4:01:00 PM | 30 min de leitura

Você realmente sabe o que é um mindset ágil? 

Cada vez mais empresas estão à procura de profissionais com esse modelo de comportamento. Elas visam à otimização de recursos no modelo de gestão de seus processos. 

Mas você sabe o porquê disso? Continue a leitura e descubra como ter um mindset ágil e aplicar as metodologias básicas. 

Confira: 

O que é mindset ágil 
Por que o mindset ágil está em alta nas empresas 
O que são metodologias ágeis 
Exemplos de metodologias ágeis 
3 cursos que vão te ajudar a desenvolver um mindset ágil 
Conclusão 

Acelere sua carreira com a pós-graduação EAD da Newton Paiva!

O que é mindset ágil 

Mindset é uma palavra de origem inglesa que significa “uma atitude ou inclinação mental”, “um estado de espírito fixo”. 

Podemos entender o mindset ágil como um modelo de comportamento que favorece a agilidade de processos na resolução de problemas. 

Assim, fica fácil compreender que falamos não só de uma série de práticas, mas que elas devem ser adotadas como um “estado de espírito fixo”. 

Isso significa que ter um mindset ágil requer mais do que executar as tarefas com esquemas e ferramentas propostos pela metodologia ágil. 

É, também, saber como podemos aplicar seus conceitos em diversas áreas e flexibilizar a solução de problemas de acordo com as demandas, considerando os valores do Manifesto Ágil. 

O Manifesto Ágil 

O Manifesto Ágil (Agile Manifesto) foi criado em 2001 por 17 desenvolvedores de software cansados das práticas extensas e burocráticas do setor.  

Juntos, eles discutiram formas de melhorar os processos e estabelecer uma diretiva aos profissionais que compartilhassem dos mesmos valores defendidos pelo documento: 

  • Indivíduos e interações acima de processos e ferramentas; 
  • Software funcionando é melhor que documentação extensa; 
  • Colaboração com o usuário acima de renegociação de contrato; 
  • Responder às mudanças mais do que seguir um plano. 

O que se apreende desses valores é uma mudança de comportamento. Visualize na tabela abaixo:  

Elementos que precisam ser considerados em todas as partes do processo 

Itens que precisam ter sua prioridade revista  

  • Qualidade das interações 
  • Funcionalidade do produto 
  • Colaboração junto ao usuário 
  • Capacidade de se adaptar a mudanças 
  • Processos e ferramentas 
  • Documentação extensa 
  • Renegociação de contrato 
  • Rigidez ao plano  

Resultado: Processos mais ágeis e focados na entrega de valor.  

 

As atividades do lado esquerdo do quadro resultam em processos mais ágeis e focados na entrega de valor. Revisar os itens do lado direito do quadro impede que essas práticas atrasem o andamento dos projetos.  

O manifesto reconhece a importância de cada um deles, mas é categórico em afirmar que a valorização nas interações humanas e na funcionalidade dos processos é uma mudança de cultura benéfica não só para o usuário, mas também para as equipes. 

Por que o mindset ágil está em alta nas empresas 

Quando falamos sobre o mindset ágil, precisamos relembrar que ele é um conjunto de princípios e valores. É um modo de pensar antes mesmo da implementação de novos processos.  

Sendo assim, a replicação dos métodos ágeis não significa o êxito para as empresas. É necessário ter profissionais que possuam o mindset ágil em seus times, para que conduzam os processos com os valores e princípios certos.  

Além dos quatro valores buscados pelo Manifesto Ágil, são elencados 12 princípios que devem ser seguidos, sendo: 

  1. A maior prioridade é satisfazer o cliente por meio de entrega antecipada e contínua de software de valor; 
  2. Mudanças de requisito são bem-vindas, mesmo em etapas finais de desenvolvimento. Processos ágeis se adequam às mudanças para que o cliente possa tirar vantagens competitivas; 
  3. Entregar software funcionando com frequência, de duas em duas semanas, ou de dois em dois meses. Dar preferência aos períodos mais curtos de tempo; 
  4. Pessoas relacionadas ao negócio e desenvolvedores devem trabalhar juntos, diariamente, ao longo do projeto; 
  5. Construir projetos em torno de indivíduos motivados. Proporcionar o ambiente e apoio de que precisam e confie neles para fazer o trabalho; 
  6. O método mais eficiente e eficaz de se transmitir informações para, e por dentro de um time de desenvolvimento, é por meio de uma conversa cara a cara; 
  7. Software funcional é a medida primária do sucesso; 
  8. Processos ágeis promovem um ambiente sustentável. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem ser capazes de manter, indefinidamente, ritmos constantes; 
  9. Atenção contínua à excelência técnica e um bom design aumenta a agilidade; 
  10. Simplicidade — a arte de maximizar a quantidade de trabalho não realizado — é essencial; 
  11. As melhores arquiteturas, requisitos e designs emergem de equipes auto-organizadas; 
  12. Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento. 

Pensando, de maneira holística, nos processos de empresas, todos os setores podem se beneficiar de um profissional capaz de adotar as práticas de um mindset ágil.  

Afinal, ele estabelece como prioridade a satisfação do cliente. Pode parecer algo simples, mas que na verdade se trata de uma mudança de paradigma do pensamento tradicional. 

Dois recursos valiosos para qualquer negócio são: tempo e flexibilidade. 

Em um mercado em constante mudança, ditada por um público consumidor cada vez mais voraz, estabelecer estratégias de gerenciamento efetivas desses ativos é fundamental para garantir o sucesso e longevidade de qualquer empresa. 

Assim fica mais fácil entender por que ter um profissional capaz de adotar um mindset ágil é imprescindível. Não é à toa que profissionais que atuam com metodologias ágeis vêm sendo valorizados no mercado.  

A demanda por esse tipo de profissional que atua na gestão de projetos é alta, já o número de profissionais com experiência real não é suficiente.  

Esta é uma ótima oportunidade para profissionais que almejam se aperfeiçoar, com as práticas mais atuais, e até mesmo para aqueles que buscam uma oportunidade de transição de carreira. 

O que são metodologias ágeis 

As metodologias ágeis são um conjunto de práticas que, quando utilizadas, garantem uma boa execução do projeto e a eficácia na qualidade do produto final. Elas priorizam entregas bem estabelecidas, ciclos curtos e a melhoria constante de processos.  

Cada metodologia tem sua estrutura de trabalho específica, mas todas estão em torno do modelo operacional que respeita os valores e princípios do Manifesto Ágil. 

Sendo assim, essas metodologias tendem a fundamentar equipes em processos complexos, visando sempre a melhor entrega daquilo que se entende por valor: a solução de uma dor do consumidor, seja um produto ou serviço.  

Um gestor que utiliza as metodologias ágeis é capaz de conduzir os processos da cadeia produtiva, buscando sempre a excelência nos resultados. 

O mindset ágil é bastante valorizado no mercado de trabalho.

Exemplos de metodologias ágeis 

Agora que você já sabe o que são as metodologias ágeis, chegou a hora de entender como funcionam alguns desses processos. 

Essas práticas podem ser aplicadas em qualquer tipo de gestão, você só precisa encontrar a que melhor se encaixa ao seu objetivo. 

Scrum 

O Scrum é um framework (ferramenta) simples para projetos complexos. Ele é um conjunto de práticas que recomenda a divisão em pequenos ciclos de atuação, com reuniões diárias para o alinhamento e aperfeiçoamento dos processos.  

Os três pilares do Scrum são: transparência, inspeção e adaptação. E para que esses pilares sejam colocados em prática, três papéis são necessários: 

  • Product Owner: como o nome sugere, é ele quem prioriza os itens do backlog. O product owner também é quem detém os poderes de liderança sobre o produto. Sendo assim, é ele quem decide o que será feito e qual a prioridade;  
  • Scrum Master: tem o papel de facilitador, ficando responsável por ajudar toda a equipe a cumprir com as metas estabelecidas e tem que conhecer muito bem o processo de Scrum; 
  • Dev Team: são as pessoas que de fato vão construir o projeto. Idealmente são membros de uma equipe capaz de auto-organização. 

Pode parecer que existe um nível hierárquico não muito diferente do tradicional, mas a metodologia possibilita que equipes reduzidas consigam trabalhar de maneira horizontal e transparente.  

Para isso, a dinâmica do Scrum funciona da seguinte forma:  

  • A visão do produto ou projeto precisa ser estabelecida; 
  • Depois, é feito o Product Backlog, uma espécie de lista de prioridades do projeto; 
  • Com tudo estabelecido, temos a fase de Sprints, que são os ciclos de tempo pré-determinados em que ocorrerão entregas relevantes do projeto; 
  • O Sprint Planning é uma espécie de backlog do Sprint, que determina quantas funcionalidades do projeto podem ser construídas durante o ciclo. 

Para auxiliar a equipe na realização destas práticas, três questões são fundamentais: 

  • O que fiz ontem? 
  • O que vou fazer hoje? 
  • Existe algum impedimento para realizar minhas atividades? 

Cada membro do time precisa respondê-las para garantir a transparência na execução dos processos. Geralmente elas são abordadas em reuniões diárias de duração rápida. 

Para resumir, Scrum é uma metodologia focada em ciclos, na delimitação de prioridades, na autogestão de processos e na transparência durante o andamento do projeto.  

Assim, o time todo fica na mesma página e consegue identificar pontos de melhoria, já que sempre estão em contato com todos os aspectos de desenvolvimento do trabalho. 

Kanban 

A metodologia Kanban tem uma fundamentação muito simples: facilitar a visualização do fluxo de trabalho. Podendo ser executado da forma mais básica e tradicional, em um quadro branco, ou até mesmo na utilização de ferramentas digitais, como o Trello. 

A ideia é separar as tarefas por fase de desenvolvimento em colunas, de maneira que a identificação visual delas seja rápida.  

Essa metodologia pode ser utilizada para a definição de qualquer atividade baseada em processos, sendo utilizada para auxiliar em processos de outras práticas, como a do Scrum. 

Cada coluna do quadro representa uma fase do projeto, que precisa ser bem delimitada. 

Em um fluxo simples, podemos ter então: 

  • Tarefas a fazer; 
  • Tarefas em execução; 
  • Aguardando aprovação; 
  • Revisão; 
  • Tarefas concluídas. 

SMART 

Essa é uma das metodologias ágeis mais versáteis. Permite o estabelecimento de metas objetivas e capazes de serem cumpridas. 

Cada letra significa um princípio defendido pela metodologia, entenda: 

  • S (Specific): específica; sem margem para interpretações 
  • M (Measurable): mensuráveis; ou seja, a meta precisa ser quantitativa 
  • A (Attainable: atingível; é preciso ter visão realista sobre as metas 
  • R (Relevant): relevantes; precisam gerar impacto 
  • T (Time-related): temporais; prazos bem estabelecidos  

3 cursos que vão te ajudar a desenvolver um mindset ágil 

Conseguiu entender a lógica por trás das metodologias ágeis? 

Pois é, todas essas práticas têm em comum a otimização de recursos. Ajudam a fazer mais, com menos.  

Ainda há várias outras metodologias ágeis, como a XP (Extreme Programming), DSDM (Dynamic System Development Model), Feature Driven Development (FDD) e Lean. 

Se você deseja desenvolver um mindset ágil e se especializar no uso dessas metodologias, separamos alguns cursos de pós-graduação que certamente vão te ajudar.    

Desenvolvimento de Software e Metodologias Ágeis EAD 

Tendo a duração de um ano, a pós-graduação em Desenvolvimento de Software com Metodologias Ágeis EAD da Newton Paiva é perfeita para Gestores, Desenvolvedores e Gerentes de Projeto.  

Voltada para a área de tecnologia, fornece a capacitação e especialização na área de desenvolvimento de software. Com foco no aperfeiçoamento da produtividade, e na execução de projetos utilizando as metodologias ágeis. 

>>> Inscreva-se no curso Desenvolvimento de Software com Metodologias Ágeis EAD 

Gestão de Projetos EAD 

Com duração de um ano, a pós-graduação em Gestão de Projetos - PMI PMBoK EAD da Newton Paiva é um curso para profissionais de qualquer área, que busquem conhecer as melhores práticas de Gestão de Projetos de acordo com o Project Management Body Of Knowledge (PMBOK). 

Voltada a capacitar profissionais que atuam no gerenciamento de todas as etapas de um projeto de acordo com as boas práticas do PMBOK — o guia do de melhores práticas de gerenciamento de projetos organizado pelo Project Management Institute (PMI). 

>>> Inscreva-se no curso Gestão de Projetos - PMI PMBoK EAD 

Lean Production EAD 

O que você acha de aprender sobre novas estratégias de trabalho e sobre linhas de produção em larga escala, nos mais diferentes nichos de mercado? A pós-graduação em Lean Production EAD da Newton Paiva é um curso com duração de um ano, perfeita para profissionais de múltiplas.  

Você aprenderá como otimizar os níveis de produção, mantendo altos níveis de resultado. Aprenderá sobre lógicas de fluxo, como garantir e refinar o fluxo com ferramentas pertinentes. Tudo isso, minimizando riscos e erros nos processos.  

>>> Inscreva-se no curso Lean Production EAD 

Conclusão 

Seja qual for a sua escolha, com a Pós+Carreira EAD Newton Paiva você conquista um novo certificado a cada 3 meses, agilizando a sua recolocação profissional antes mesmo da conclusão do curso. 

A Newton Paiva conta com 80% do corpo docente formado por mestres e doutores e com aulas 100% online, permitindo a flexibilidade que você tanto precisa. São 49 anos fazendo história no campo educacional, aliando tradição à inovação. 

Venha construir a sua história com a Newton! 

Comece sua pós-graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

Mercado de Trabalho

Veja mais conteúdos da Newton Paiva sobre EAD e educação

Conheça a importância da leitura para a formação profissional

A importância da leitura é uma questão que nos atravessa desde os anos iniciais da educação e (por que não?) continua ...
13 min de leitura

Como fazer networking: o que muda no pós-pandemia?

Como fazer networking quando nossos hábitos estão muito diferentes no pós-pandemia?
12 min de leitura

Nomadismo digital: o sonho de trabalhar de qualquer lugar do mundo

Imagine ligar o seu notebook e trabalhar na praia, na fazenda ou em uma casinha de sapê? 
22 min de leitura
Ver mais conteúdossobre Mercado de Trabalho